Página Inicial

Institucional

Locação de Veículos Executivos

Nossos Motoristas

Frota de Veículos

Serviços

Orçamento

Trabalhe Conosco

Notícias

Contato

Orçamento em transporte VIP
Faça um orçamento sem compromisso com a Transvalix.
Notícias sobre Transporte Executivo

03/11/2010

Demanda do Natal faz GM importar

Para atender à demanda de final de ano, a General Motors (GM) ultrapassou a capacidade de armazenamento do pátio automotivo do Porto Novo, de Rio Grande (RS). No porto rio-grandense, a quantidade de automóveis importados já excedeu o limite de 4,2 mil veículos. Na última sexta-feira, mais de seis mil carros estavam armazenados no Porto Novo. Até setembro, a quantidade de veículos importados pela General Motors era de seis a sete mil por mês; no mês passado este volume passou para nove mil. A empresa espera receber amanhã mais 1,4 mil veículos dos seguintes modelos: Agile, vindos de suas fábricas na Argentina; Malibu, fabricados nos Estados Unidos; e os Captiva, produzidos no México.

Na esteira de crescimento da demanda por veículos automotores no País, o segmento de carros de luxo também elevou suas vendas em 148,9% entre janeiro e agosto deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. O volume não deve parar de crescer, segundo a Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), e a expectativa é de atingir 100 mil unidades, ante 42 mil de 2009.

Mesmo com a crescente demanda, porém, a Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea) explica que o Brasil tem vocação para fabricar carros populares, pois falta no País estrutura fabril e escala para produção local de carros da categoria premium.

Escala
De acordo com o diretor Comercial da Audi Brasil, Leandro Radomile, a falta de um parque de fornecedores para uma produção em larga escala de carros de luxo no Brasil é o que impossibilita planos de fabricação local.

"Acreditamos que dentro de cinco anos o Brasil já fará parte dos mercados mais importantes para a companhia, pois o País tem velocidade de crescimento muito superior à de outros países", conta Radomile. No entanto, segundo ele, as vendas locais representam ainda apenas 0,5% do total da empresa. "Mas há muito espaço a ser explorado no mercado."

As vendas da Audi no Brasil totalizaram mais de duas mil unidades de janeiro a setembro. A projeção é de 63% de incremento nas vendas deste ano, ante 2009. "Acreditamos no grande potencial do Brasil, que pode superar a China e deve crescer 60%. Há um ano tínhamos 12 modelos no País; hoje são 26", diz Radomile. Ele acredita que a concentração da demanda por este tipo de veículo também já passa por mudanças. "Além do eixo sul-sudeste, temos observado interesse por nossos produtos nos estados da fronteira agrícola, como em Cuiabá [MT]", conta Radomile.

Entre julho e agosto, o número de carros importados emplacados subiu 19,9%. Segundo a Abeiva, que reúne 30 marcas, entre elas, Audi, Ferrari e Jaguar, apesar de haver demanda e de o faturamento do setor quase se equiparar ao de carros convencionais, a produção brasileira industrial é inviável devido à ainda pequena escala de pedidos.

Ferrari
Um exemplo deste cenário é a italiana Ferrari, que tem no Brasil seu quinto melhor mercado. "Temos demanda no Brasil. Os carros da Ferrari têm quantidade restrita de produção, o que nos leva a deixar de atender alguns clientes", diz o diretor Comercial da Ferrari, Cláudio Boriero.

Neste ano, a fabricante italiana produzirá em média seis mil veículos, com preço a partir de R$ 1,7 milhão.

"A nossa projeção é de acelerar nosso crescimento este ano. Devemos fechar o ano com 45 unidades vendidas, perante 21 em 2009", explica Boriero. E para 2011 expectativa é a venda de 50 carros.De acordo como executivo, a única possibilidade de haver produção de carros do segmento premium no Brasil seria as fábricas no exterior fecharem.

Na América Latina, o Brasil já é o primeiro mercado da Ferrari. Há dois meses a empresa lançou a Ferrari 599 - o "nome" do veículo corresponde à quantidade de produção do veículo. Sem equipamentos adicionais, o 599 custará R$ 2,5 milhões, podendo chegar a R$ 3,3 milhões. O novo modelo já conta com duas unidades vendidas no Brasil.

O aquecimento do mercado de veículos de luxo fez com que o Grupo Via Itália, importador da Ferrari no Brasil, começasse a comercializar há um ano também o esportivo Lamborghini, que já tem 17 modelos vendidos no País.

A meta da fabricante é chegar a 20 carros. O preço dos modelos da marca é: R$ 1,4 milhão pelo Gallardo cupê, R$ 1,6 milhão pelo Gallardo Spyder e R$ 1,7 milhão pelo Gallardo Superleggera.

Para atender a demanda de fim de ano, a General Motors (GM) ultrapassou a capacidade de armazenamento do pátio automotivo do Porto Novo, em Rio Grande (RS). No porto rio-grandense, a quantidade de automóveis importados já excedeu o limite de 4,2 mil unidades: na última sexta-feira, mais de seis mil carros estavam armazenados no Porto Novo. Até setembro, a quantidade de veículos importados pela General Motors era de seis a sete mil unidades por mês; já no mês passado este volume passou para nove mil. A empresa espera receber amanhã mais 1,4 mil veículos dos seguintes modelos: Agile, vindos de suas fábricas na Argentina; Malibu, fabricados nos Estados Unidos, e Captiva, produzidos no México.

Na esteira de crescimento da demanda por veículos no Brasil, o segmento de carros de luxo também elevou suas vendas em 148,9% entre janeiro e agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. O volume não deve parar de crescer: segundo a Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), e a expectativa é de atingir 100 mil unidades, ante 42 mil de 2009. Mesmo, porém, com a crescente demanda, a Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea) explica que o Brasil tem vocação para fabricar carros populares, pois falta no País estrutura fabril e escala para que se proceda à produção local de carros da categoria premium.

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) informou na segunda-feira que o número de emplacamentos do setor automotivo caíram 3,07%, totalizando 463.645 unidades em outubro.


Fonte: DCI - SP

+ Notícias
Telefones: (11) 99868-1000/2272-6000